Os bois

Vou dar nome aos bois (esta entrada do diário de escrita será reescrita diversas vezes, à medida que novos personagens surgirem para compor a teia).

NÚCLEO CENTRAL

Pai: Álvaro, chamado de Cardoso no trabalho. Brasileiro, pais portugueses, fugidos do salazarismo. Calado, emburrado. Meta: proteger a família e seu emprego.

Mãe: Léa, dona de casa. Nascida no interior do RJ (Carmo, terra de Egberto Gismonti), veio para Niterói para cursar o Clássico (atual ensino médio) ou o Normal (que saudades da professorinha!…). Lida, culta, calada. Meta: manter a família unida.

Filho: Francisco, mas na família todos o chamam de Júnior – apesar de não ter o mesmo nome do pai. Lido, perspicaz, ácido. Meta: ser como Jean Paul Sartre e mudar o mundo.

Filha: Teresa. Sensível, romanticamente sonhadora, mas pragmática para a sua vida. Meta: quer ser médica e ganhar bem.

AVÓS

Avô paterno: Curgo (Licurgo). Oleiro aposentado, ainda produz peças de cerâmica para expor em feiras. Alma livre. Meta: cuidar de Tina e proteger os netos do filho, “um chato de galochas”.

Avó paterna: Tina (Ernestina). Antes poetisa, hoje com confusão mental típica da demência senil: gagá. Tem pesadelos com soldados invadindo o seu quarto. Meta: não perder capítulos das novelas (?).

Avô materno: Osório, morto.

Avó materna: Inga (Ingrid). Descendente de suíços

TIOS E PRIMOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s